Guia Definitivo: A história das Vendas – Conheça a evolução da arte de vender!

Você já pensou que existe uma história das vendas? É difícil imaginar, pois vender é uma prática que parece tão banal, comum no cotidiano, que é difícil imagina como esse ato pode ser uma atividade humana tão antiga. Mesmo quando uma pessoa não trabalha com vendas, esse costume social a atinge enquanto consumidora.

Não há como escapar das vendas, pois boa parte de nossas vidas se resume às transações comerciais. Sempre que precisamos de alguma coisa, desde o essencial até o supérfluo, é preciso recorrer a uma compra. Portanto, conhecer a história das vendas é uma forma de saber quando começou e como se desenvolveu essa prática que compõe nossas relações sociais.

O que sabemos é que o ato de vender é muito antigo, o que torna a história das vendas uma narrativa grande e complexa. Desde que o ser humano se agrupou e passou a viver no mesmo local, isto é, ter uma vida sedentária, o acúmulo de bens, seja de alimentos ou objetos para a sobrevivência, o levou eventualmente para o comércio. Por isso, podemos afirmar que a história das vendas é inseparável da história da humanidade.

Por se disseminar no mundo inteiro, ao longo de milênios, as vendas evoluíram muito dos seus primórdios até a atualidade, o que torna a história das vendas algo interessante e instigante.

Existem alguns momentos da história, como a revolução industrial, nos quais a atividade comercial alcançou patamares sem precedentes, o que mudou significativamente a história das vendas. Hoje em dia, depois de muitas transformações, as vendas são feitas tanto em estabelecimentos físicos quanto na internet.

Conheça a seguir onde começa a história das vendas e quais são os seus principais momentos. Veja também como surgiu a profissão “vendedor”, com suas características modernas, e a chegada do comércio no mundo virtual.

Confira os tópicos ou navegue através dos links diretos:

    O conceito de vendas

    A palavra “vendas” está intimamente ligada ao mundo empresarial. Quem não quer vender bem seus produtos ou serviços? Mas afinal, o que é vendas?

    De acordo com o dicionário Michaelis, vendas é “ato de vender, de comercializar; mercadoria, produto vendido”. Ou seja, vendas é a atividade de disponibilizar produtos e serviços ao mercado consumidor, visando obter lucro.

    Podemos dizer que existem dois aspectos fundamentais nas vendas: o conceito de mercado e o conceito de cliente.

    O mercado é o lugar onde as vendas ocorrem. É o lugar onde os produtos e serviços são oferecidos aos consumidores. O mercado é composto por duas partes: o mercado consumidor e o mercado fornecedor.

    O mercado consumidor é a parte do mercado onde estão os consumidores, ou seja, as pessoas que compram os produtos e serviços. O mercado fornecedor é a parte do mercado onde estão os fornecedores, ou seja, as empresas que vendem os produtos e serviços.

    O conceito de cliente é a noção de que as vendas não são feitas para produtos, mas para pessoas. As vendas devem atender às necessidades dos clientes. Os clientes são as pessoas que compram os produtos e serviços.

    Para vender bem, é preciso compreender o conceito de mercado e o conceito de cliente. É preciso conhecer o mercado consumidor e o mercado fornecedor, e conhecer as necessidades dos clientes. É importante também conhecer a concorrência, para saber quais produtos e serviços os clientes estão comprando e quais ofertas estão disponíveis no mercado.

    A concorrência é uma ameaça para as empresas, mas também é uma oportunidade. As empresas podem aprender com a concorrência e melhorar seus produtos e serviços. A concorrência também pode ajudar as empresas a identificar novas oportunidades de mercado.

    Para vender bem, é importante ter um bom produto ou serviço, mas é igualmente importante ter um bom marketing. O marketing é a estratégia de vendas, é a forma de promover os produtos e serviços. O marketing deve atender às necessidades dos clientes.

    Para vender bem, é preciso ter um bom produto ou serviço, conhecer o mercado consumidor e o mercado fornecedor, e conhecer as necessidades dos clientes. É importante ter um bom marketing, que atenda às necessidades dos clientes.

    Sucesso nas vendas!

    O que é vender?

    Vender é uma palavra que tem vários significados. Pode significar vender produtos, serviços, ideias ou qualquer outra coisa. Mas, de forma geral, vender significa trocar algo por outra coisa.

    Quando você compra algo, você está vendendo seu dinheiro em troca de um produto ou serviço. Quando você vende algo, você está trocando esse produto ou serviço por outra coisa.

    É importante entender que vender não é apenas trocar dinheiro por produtos ou serviços. Você pode vender ideias, por exemplo. Quando você apresenta uma ideia para outras pessoas e elas a compram, você está vendendo essa ideia.

    Vender é um processo de troca. Você está oferecendo algo e as pessoas estão comprando. Isso significa que você precisa saber o que está vendendo e o que as pessoas estão comprando.

    Qual a origem da palavra vender?

    A palavra “vender” vem do francês “vendre”. No entanto, a origem da palavra é incerta. Alguns pesquisadores acreditam que ela possa ter vindo do latim “vendere”, que significa ” entregar” ou “transferir”. Outros dizem que ela pode ter vindo do alemão “verkaufen”, que significa “comprar e vender”.

    Independentemente de sua origem, a palavra “vender” tem uma significação clara: é a ação de trocar bens ou serviços por dinheiro. Essa atividade é essencial para a economia de um país e é responsável por criar empregos e impulsionar a produção.

    Além disso, a venda é um importante instrumento de marketing. Com ela, as empresas conseguem conquistar novos consumidores e aumentar ainda mais suas vendas.

    Como surgiu o sistema de compra e venda?

    Desde que nos tornamos seres humanos o sistema de compra e venda nos acompanha nos costumes. Por isso que a história das vendas torna-se uma característica tão essencial para o nosso desenvolvimento.

    Desde a antiguidade, o homem vem buscando meios de facilitar suas trocas comerciais. Antes mesmo da existência de dinheiro, o comércio era realizado através do intercâmbio de mercadorias. Com o passar do tempo, foram sendo inventados vários meios de facilitar as trocas, como a carta de crédito, o cheque e o cartão de crédito.

    Mas o sistema de compra e venda mais utilizado atualmente é o pagamento à vista. Neste sistema, o comprador tem a garantia de que poderá retirar a mercadoria no momento da compra, enquanto o vendedor tem a certeza de que receberá o dinheiro de imediato.

    Apesar de ser o sistema mais utilizado, o pagamento à vista não é o único meio de compra e venda ao longo da história das vendas. É possível utilizar o pagamento parcelado, no qual o comprador paga a mercadoria em várias parcelas, por exemplo.

    O vendedor tem a certeza de que receberá o dinheiro parcelado, e o comprador tem a garantia de que poderá retirar a mercadoria no momento da compra.

    É importante destacar que, embora o pagamento parcelado seja mais utilizado que o pagamento à vista, o pagamento à vista é mais vantajoso para ambas as partes. O comprador tem a garantia de que poderá retirar a mercadoria no momento da compra, e o vendedor recebe o dinheiro de imediato.

    A escolha do sistema de pagamento dependerá da situação específica de cada compra e venda. No entanto, o pagamento à vista é o sistema mais vantajoso para ambas as partes.

    Onde começa a história das Vendas?

    A história das vendas começa com uma data indefinida. O comércio e a atividade comercial remontam à pré-história, com as primeiras práticas de troca e, posteriormente, à Antiguidade, quando pensamos no surgimento das primeiras moedas. Na América Portuguesa (o que viria a ser o Brasil), a história das vendas enquanto atividade profissional tem suas primeiras expressões já durante a colônia, com a presença de mercadores europeus nos portos.

    Onde começa a história das Vendas
    Fonte/Reprodução: original

    Leia também: 7 livros de vendas que você não pode deixar de ler em 2022

    Vale lembrar que nesse momento da história das vendas nos portos ou centros urbanos envolvia não só materiais de origem europeia ou artigos de produtores locais, mas também o comércio de escravizados.

    Já na Europa, particularmente na Inglaterra, a história das vendas tem uma guinada com a primeira fase da Revolução Industrial, que teve início na segunda metade do século XVIII. Antes dela, a prática do comércio era, em muitos casos, feita pelo próprio artesão produtor do artigo que estava à venda. Essa prática sofre uma mudança com o avanço da indústria, que dentre outras coisas, começa a cada vez mais dissociar o trabalhador do produto final.

    O sistema de trocas de povos primitivos

    Apesar de os povos primitivos utilizarem diversos métodos de compra e venda, a base do sistema é sempre a mesma: a troca. Os produtos eram comprados e vendidos através de acordos entre os membros da comunidade, e as negociações eram sempre mediadas por um terceiro, que funcionava como um intermediário.

    Na maioria das vezes, as trocas aconteciam através da intermediação de um mercador. Esse mercador era uma pessoa versada nas regras da troca, e estava sempre disposto a intermediar uma opção. Ele oferecia seus serviços a qualquer membro da comunidade, e recebia uma porcentagem sobre o valor da ação.

    Apesar de o mercador ser uma figura essencial nas trocas, ele não possuía o poder de decisão. Esse poder era exercido pelo líder da comunidade, que estabelecia as regras da troca e decidia quem poderia comprar e vender os produtos de acordo com as normas da comunidade.

    Os povos primitivos possuíam um sistema de compra e venda bastante simples, mas que funcionava bem na maioria das situações e compôs grande parte da história das vendas da humanidade. No entanto, esse sistema foi gradualmente substituído pelo sistema mercantil, que se tornou predominante na sociedade moderna durante a Revolução Industrial.

    A Revolução Industrial

    No fim do século XVIII, um grande momento da história das vendas aconteceu: foi inventada a máquina a vapor e, ao longo de todo o século XIX essa invenção tornou-se o motor da chamada revolução industrial. A palavra “revolução” não é nenhum exagero, pois todo o processo de produção foi radicalmente transformado.

    Com as transformações decorridas da Revolução Industrial, o comércio de escravizados deixou de ser explorado devido de muitos fatos. Alguns que podemos descrever são: movimentos ativistas de abolição e a necessidade de aumentar a demanda e o poder de consumo da população para a compra de novos produtos industriais.

    Antes nas mãos de um artesão, de repente nas mãos de operários. A máquina era responsável pela produção e a mão de obra humana entrava como coadjuvante nesse processo. Uma consequência disso foi um aumento em escala massiva da produção, por um lado, e a precarização das condições de trabalho, por outro.

    De repente, o mercado tinha oferta de produtos em abundância. Isso tornou a profissão de vendedor praticamente em uma necessidade.

    Como os produtos não podiam ficar parados, foram abertos cada vez mais mercados e estabelecimentos comerciais, e a profissão de vendedor cresceu. É possível afirmar que o vendedor foi essencial para o estabelecimento e crescimento da produção em massa e consequente movimentação da economia.

    Dessa forma, a figura do vendedor como uma profissão tem um grande impacto na história das vendas e mudou significativamente a prática dessa atividade.

    Os vendedores ambulantes ou caixeiros viajantes

    No momento em que a Revolução Industrial estava, literal e metaforicamente, a todo vapor, surgiram os vendedores ambulantes, ou caixeiros viajantes. Estes profissionais dedicavam-se a adquirir produtos de diversos tipos e viajavam por todo o país. Faziam uma venda direta nas casas das pessoas, com pronta-entrega.

    Sendo assim, os vendedores ambulantes e os caixeiros viajantes foram figuras de muita importância para a globalização da humanidade que vemos na história das vendas.

    Se, por um lado, os vendedores ambulantes, que agiam de maneira independente, serviram para espalhar o comércio da época, por outro, as empresas também passaram a criar as suas próprias formas de venda.

    A intenção era ter um time de vendedores para alcançar fatias do mercado ainda não exploradas. Essa prática já era popular desde o início da Revolução Industrial, em pleno século XVIII.

    A principal diferença entre os ambulantes e os tiradores de pedidos era apenas o vínculo, já que ambos possuem grande importância para a história das vendas. Enquanto os ambulantes não possuíam vínculo com as empresas, os tiradores de pedido trabalhavam de forma exclusiva para a empresa que os contratavam. É interessante pensar neles como os funcionários dos primeiros setores de venda na história.

    A importância dos vendedores após as Guerras Mundiais

    É preciso contextualizar o que aconteceu no mundo inteiro já no início do século XX, ainda durante a segunda fase da Revolução Industrial. Com o crescimento elevado da economia e, por consequência, das grandes potências europeias, essas nações entraram em um enorme conflito bélico que resultou na 1ª Guerra Mundial.

    Guerras, por si só, constituem verdadeiros ralos econômicos, por onde o dinheiro e os recursos de uma nação escoam. Logo após após a 1ª Guerra ocorreu a grande depressão, na década de 1930. Pouco tempo depois, em 1939, o mundo entrou na 2ª Guerra Mundial, que foi ainda mais devastadora do que a primeira.

    Com esse contexto caótico, surgiu na história das vendas a figura do vendedor como um dos profissionais mais importantes no salvamento da economia em todo o mundo. Em um momento onde o mercado estava abalado, foram os vendedores que se responsabilizaram em gerar receita para as suas empresas.

    Com isso, a visão sobre os vendedores tornou-se muito zelosa. Esse profissional passou a ser tratado como uma das partes mais importantes de uma empresa. O profissionalismo e a boa conduta passaram a ser cada vez mais exigidos do vendedor, pois a partir daquele momento havia a noção de que o vendedor era a imagem da empresa diante do cliente, o que significou inserir o mundo corporativo na vida do profissional ao longo da história das vendas.

    Profissionalização do vendedor: informações e atendimento às necessidades dos clientes

    A evolução da história das vendas trouxe consigo uma inevitável transformação da história do próprio vendedor. A profissão tornou-se sofisticada, no sentido de que vender era apenas uma fração das atribuições de um vendedor. Mais do que isso, o vendedor precisava ensinar e informar ao cliente acerca dos produtos ou serviços ofertados. É a ideia do vendedor que também age como um consultor.

    Com essa prática evoluída na história das vendas, o vendedor aprende a descobrir quais são as reais necessidades do cliente e o acompanha por um processo, não somente no ato da venda. Ele fica com o cliente antes, durante e depois de vender, pois o seu foco é a pessoa que está do outro lado da transação comercial.

    História das vendas: A revolução das vendas digitais

    Por uma questão de falta de tecnologia no início da história das vendas, o vendedor só podia desempenhar sua função se estivesse cara a cara com o cliente. Mas, com o surgimento do telefone, e com o posterior uso do mesmo pelas empresas, essa realidade mudou.

    Tornou-se possível atender os clientes mesmo à distância, o que trouxe conveniência para as vendas e alterou significativamente a história das vendas. Conforme os anos passaram, as vendas à distância ganharam novos meios de comunicação, como a internet e o e-commerce.

    Apesar da crise financeira que atingiu o mundo nos últimos anos, o mercado vive um novo capítulo da história das vendas. Isso porque as vendas digitais tem apresentado um crescimento significativo. Segundo a consultoria e-Bit, em o mercado de vendas on-line no Brasil movimentou R$ 31,5 bilhões, o que representa uma alta de em relação ao ano anterior. Esse crescimento é resultado da adoção cada vez maior de ferramentas de comércio eletrônico por parte das empresas e do aumento da confiança dos consumidores na internet.

    As vendas digitais vêm substituindo gradativamente as vendas presenciais, especialmente no varejo. Isso se deve à praticidade e conveniência que as ferramentas de comércio on-line proporcionam aos consumidores. Além disso, o preço dos produtos vendidos on-line costuma ser mais baixo do que o preço dos produtos vendidos nas lojas físicas.

    Dessa forma, podemos afirmar que o processo de compra e venda passa por uma reformulação que revoluciona a história das vendas novamente.

    As empresas estão percebendo a importância de estar presentes no mercado de vendas digitais e isso representa uma grande mudança na história das vendas e na arte de vender. Segundo um relatório da Websense, empresa de segurança na web, em o comércio eletrônico representou do faturamento das empresas brasileiras. Esse percentual deve crescer continuamente nos próximos anos.

    Para aproveitar essa oportunidade, as empresas devem adotar estratégias de marketing digital adequadas para os seus períodos da história das vendas. As estratégias de marketing digital incluem a criação de um site, a inserção de anúncios nos buscadores, a promoção de produtos e serviços por meio de redes sociais e a criação de e-mails marketing.

    Apesar da grande variedade de estratégias de marketing digital, nem todas as empresas estão utilizando todas as ferramentas à sua disposição. Apenas algumas empresas brasileiras estão promovendo seus produtos e serviços por meio de redes sociais. Esse número deve aumentar nos próximos anos, pois as redes sociais se constituem em uma excelente ferramenta para estabelecer uma relação de proximidade com os consumidores.

    Veja a seguir algumas etapas da história das vendas na atualidade:

    O Surgimento do Televendas

    Podemos dizer que as televendas foram precursoras do e-commerce, pois o princípio era o mesmo: ver ofertas pela TV e realizar a compra sem sair de casa.

    O televendas surgiu em 1979 no Reino Unido e foi um sistema de vendas criado pelo empresário Michael Aldrich.

    O Minitel

    O televendas é conhecido por nós até hoje, tamanha foi sua popularidade no passado, e ainda é um pouco. Mas você já conhecia o Minitel?

    Assim como as televendas, o Minitel foi um precursor do comércio eletrônico. Criado na França, esse sistema assumia forma de um videotexto e também possibilitava que as vendas fossem realizadas à distância, algo nunca antes visto na história das vendas.

    World Wide Web

    Dentro da história das vendas, é impossível não falar da WWW. Afinal de contas, é através dessa rede que as vendas passaram por mais uma revolução incrível. Se, no século XIX, a explosão de produção escancarou as portas do mercado, na segunda metade do século XX em diante a abertura se deu por causa do alcance das pessoas, isto é, dos consumidores.

    Desde seu início em 1991, a World Wide Web simplesmente engoliu o Minitel que, de fato, fez mais sucesso na França do que em qualquer outro lugar do mundo.

    Oficialmente, o comércio eletrônico começou com a Boston Computer Exchange, ainda em 1992. Era um mercado virtual cujos clientes desejavam vender computadores que já estavam usados.

    Mas foi em 1992 que aconteceu uma grande virada na história das vendas em relação ao comércio eletrônico, com a Book Stacks Unlimited: uma das primeiras formas para o consumidor fazer compras online. Hoje em dia, é considerado que a Book Stacks foi uma precursora da Amazon.

    E-commerce: o futuro dos fluxos de vendas

    Podemos resumir a história das vendas, no que diz respeito ao e-commerce, como o comércio que se adapta às mudanças tecnológicas. Quanto mais novas ferramentas e tecnologias surgem, mais o comércio as aproveita.

    Com isso, o e-commerce só cresceu, em termos de volume de produtos e de clientes. Com a recente transformação digital e o uso cada vez mais intenso dos dispositivos móveis, o e-commerce seguiu essa tendência para evoluir ainda mais.

    Mas o e-commerce segue algumas diretrizes essenciais para que possa fazer frente ao comércio tradicional: a flexibilidade e a prioridade do cliente.

    Quem são os bons vendedores da atualidade?

    A história das vendas chega ao momento atual, no qual a figura do vendedor é mais valiosa do que nunca, o que significa que as exigências também são inéditas e que a profissão está cada vez mais complexa.

    Nos dias de hoje, um bom vendedor não é apenas uma pessoa que sabe convencer, mas um profissional que reúne uma série de características revolucionárias para a história das vendas.

    Quem são os bons vendedores da atualidade
    Fonte/Reprodução: original

    Leia também: Treinamento para vendedores em 3 passos: Motivação e evolução para sua equipe

    Ele é capaz de definir quem é o seu público ideal, além de estudar muito bem a empresa da qual faz parte e os produtos que oferece. É a noção do vendedor-consultor, que ainda é forte. Além disso, esse profissional deve ser muito empático, ou seja, um perito em ouvir o cliente de forma a atender às suas necessidades e demandas genuínas.

    Além de identificar corretamente as demandas do cliente, os bons vendedores são excelentes em acompanhar. Eles estão nas etapas de pré e pós-venda.

    O que mercado exige dos vendedores atuais?

    A história das vendas atual é muito exigente com os vendedores porque o foco não é mais no produto, e sim o cliente.

    Para além de realizar conversões na história das vendas atualmente, as empresas buscam construir relacionamento com seus clientes. Isso ajuda a diminuir custo de aquisição por vendas, possibilita recorrências e ainda cria oportunidades de marketing.

    Embora todos os vendedores sejam necessários para que os negócios prosperem, é inegável que alguns se destacam por serem melhores do que outros. Esses profissionais são carismáticos, persuasivos e conseguem fechar qualquer negócio.

    Mas, afinal, quem são esses bons vendedores da atualidade?

    Existem inúmeras definições para o termo “vendedor”. Alguns o associam a pessoas que vendem produtos ou serviços; outros o definem como um profissional que consegue conquistar clientes e novas oportunidades de negócios. Independentemente da definição, todos concordam que os bons vendedores são essenciais para o sucesso de qualquer empresa.

    Alguns desses profissionais têm características que os distinguem dos outros. Geralmente, são pessoas carismáticas, persuasivas e comunicativas. Conseguem estabelecer uma relação de confiança com os clientes e entrar em acordo com qualquer negociação.

    No entanto, ser um bom vendedor não é uma tarefa fácil. É necessário ter iniciativa, persistência e, acima de tudo, ser dedicado ao trabalho.

    Para se tornar um bom vendedor a CNPJ Biz entrega para você uma ferramenta para auxiliar o seu processo de prospecção e publica artigos semanalmente para criar um portal de vendas! Acreditamos que é importante incentivar o estudo e o trabalhar duro para a formação de novos vendedor que têm a persistência de se especializarem em suas carreiras. Sabemos que é importante se dedicar aos estudos e conhecer as principais características dos clientes.

    Como se tornar um bom vendedor com a CNPJ Biz!

    Você pode utilizar a plataforma da CNPJ Biz de duas formas: a primeira é para prospectar clientes de uma forma mais simples e rápida, a segunda é através do estudo de novas estratégias de vendas para prospectar clientes e se tornar um bom vendedor!

    Mas, para isso, é necessário ter dedicação, iniciativa e persistência!.

    Para se destacar no mercado, é importante ter conhecimento dos produtos e serviços que você está oferecendo aos seus clientes. É fundamental ter clareza sobre o que está sendo vendido e qual é o seu objetivo com as vendas. Com o tempo, você irá construir uma boa reputação. Portanto, é importante ser honesto com os clientes e oferecer sempre o melhor possível para uma solução real.

    Para saber mais sobre como podemos otimizar os seus resultados de vendas, acesse o nosso portal de vendas.

    Por que a experiência de consumo deve ser vendida junto com os produtos?

    Essa é uma mudança muito importante que acontece na história das vendas. Isto porque atualmente o foco das empresas — e do mercado como um todo — é o relacionamento. É preciso levar em conta que a história das vendas chegou em um ponto no qual há muita oferta de tudo: produtos, serviços, informação, benefícios, etc.

    Assim, para sobressair no mercado, uma empresa deve ter foco em marcar a memória do cliente e, para isso, é necessário oferecer a melhor experiência possível. Isso deve acontecer ao longo do funil de vendas, um processo cheio de etapas no qual a empresa nutre o cliente com informação, benefícios e eventualmente fecha a venda.

    Mas o processo continua depois da venda: o vendedor entra em contato com o cliente, pergunta como foi com o produto, sua opinião, oferece benefícios, etc. Toda espécie de agrado, de atendimento, de diferencial que uma empresa possa oferecer marca uma boa experiência de compra para o consumidor.

    Ao comprar um produto, o consumidor espera ter uma boa experiência de consumo. Essa experiência envolve desde a facilidade na compra até a qualidade do produto recebido. Quando a experiência de consumo é ruim, o consumidor tende a reclamar, não comprar novamente o produto ou até mesmo recomendar aos amigos que não comprem o produto.

    Por isso, é importante que a empresa venda não apenas o produto, mas também a experiência de consumo. Dessa forma, o consumidor sabe exatamente o que esperar daquela marca e tem uma boa experiência de consumo, o que pode levar a uma fidelização.

    Alguns benefícios da venda da experiência de consumo são:

    • A empresa passa a ser vista como uma marca confiável.
    • Os consumidores se tornam fieis à empresa.
    • Há uma redução no número de reclamações.
    • Os consumidores têm uma melhor experiência de consumo, o que pode levar a uma fidelização.

    A importância de oferecer uma boa experiência de consumo é cada vez maior, pois os consumidores estão cada vez mais exigentes. Por isso, é fundamental que as empresas vendam não apenas o produto, mas também a experiência de consumo. Dessa forma, o consumidor sabe exatamente o que esperar daquela marca e tem uma boa experiência de consumo, o que pode levar a uma fidelização.

    Conhecer a história das vendas é como fazer um giro ao longo de séculos e observar o quanto essa prática tornou-se vital tanto para a economia quanto para a vida de pessoas no mundo inteiro.

    Conclusão

    A história das vendas é uma história de evolução. Ao longo dos anos, a arte de vender se tornou cada vez mais sofisticada e eficiente. E isso é resultado da constante busca por melhores práticas por parte dos vendedores.

    Agora que você conheceu um pouco mais sobre a história das vendas, é hora de colocar em prática tudo o que aprendeu. A CNPJ Biz disponibiliza diversos cursos para que você possa aprender ainda mais sobre esse assunto e se tornar um profissional de vendas de sucesso. Saiba mais acessando nosso site!

    Acesse o nosso portal de vendas e confira insights relevantes para montar sua carreira profissional e montar a sua própria história das vendas! Até mais!

    Compartilhe:
    cnpj-biz-news

    cnpj-biz-newsletter

    Insights relevantes para auxiliar o crescimento da sua empresa:

      Deixe um comentário

      logo-cnpj-biz-blog

      © 2022 CNPJ BIZ, Todos Direitos Reservados.

      Você já conhece nossas redes sociais?!